Em tempo de substituir

Os melhores ingredientes para quem quer, ou precisa, eliminar o glúten e a lactose da dieta

Retirar o glúten e a lactose do cardápio, caso você não seja alérgico ou intolerante, é um assunto envolto em polêmicas. Por isso, independente de qual seja a razão para a escolha alimentar, saiba que é possível viver bem- e muito bem- sem esses ingredientes. Isso porque não faltam alternativas para substituir com sucesso esses elementos sem sentir falta! Confira a seguir.


LEITES VEGETAIS

Enquanto as bebidas de origem animal estão associadas à processos alérgicos, os leites vegetais não apresentam riscos à saúde, de acordo com a nutricionista Karen Oliveira. Ainda são ricos em vitaminas, minerais e antioxidantes importantes para promoção da saúde e prevenção de doenças. A quantidade de proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais e antioxidantes varia de acordo com o tipo de leite, completa a profissional. Eles podem ser extraídos do coco, de castanhas, quinoa em grão e em flocos, arroz branco ou integral e aveia, por exemplo. Existem prontos no mercado, porém o custo benefício de fazê-los em casa é melhor, recomenda a nutricionista Cibele Cavalcante. Você pode bebê-los na hora do preparo ou guardá-lo para consumo por até 3 dias na geladeira, em um pote hermético.

Leite de coco: bata a polpa de 1 coco fresco em 1 litro de água morna e coe.

Leite de castanhas: deixe 1 xícara (chá) de castanhas sem sal de molho por 8 horas. Jogue a água e bata com 3 xícaras (chá) de água e coe. Pode-se acrescentar algumas gotas de essência de baunilha.

Leite de quinoa: leve ao fogo ao menos um copo (200 ml) e água e, ao ferver, acrescente 1 xícara (chá) de quinoa em grão, durante 10 minutos. Desligue, coe e jogue a água fora. Em seguida, bata os grãos cozidos e coe.

Leite de arroz integral: leve ao fogo 1 litro de água com 1 xícara (chá) de arroz integral cru por 15 minutos. Escorra a água e bata o arroz com 4 xícaras de água, utilize a tecla pulsar e deixe por alguns minutos, para apenas quebrar os grãos. Peneire mexendo delicadamente no arroz apenas para sair o líquido. Pode adicionar gotas de essência de baunilha.

FARINHAS SEM GLÚTEN

Não faltam opções no mercado, por isso, pode ser um pouco confuso na hora da compra. Para ajudar você, elencamos as principais a seguir e quando (e como) podem ser usadas.

Consultoria Karen Oliveira, nutricionista do CEVISA e parceira da Superbom; Cibele Cavalcante, nutricionista na Clínica Shalon, de Campinas (SP) - FOTO Shutterstock Images.

  • Farinha de arroz: a versão é mais indicada para pães, assados, bolos e receitas mais delicadas e leves. Tenha o cuidado de usar farinha de arroz integral a fim de desfrutar todos os nutrientes do arroz, indica Karen.
  • Biomassa de banana verde e farinha de banana verde: esses ingredientes são agentes para ajudar a dar textura às receitas. Melhoram a consistência de bolos, tortas e mousse. A biomassa pode ser usada como substituta do ovo em algumas receitas, sem prejuízo de sabor ou textura, completa Karen.
  • Farinha de aveia (sem glúten): a aveia não possui glúten, porém, em processos de moagem pode ser contaminada com o elemento, derivado do trigo, por exemplo. Por isso, fique atento ao rótulo antes da compra. É opção para compor bolos de frutas, pães, tortas e para dar ponto em hambúrguer vegetal. Seu sabor e textura são bem agradáveis e ficam bem em quase qualquer receita, pontua Karen.
  • Farinha de berinjela: o legume é rico em fibras e possui um efeito no controle das taxas de colesterol. Já a farinha possui um efeito ainda maior em relação a fibras, ajuda a dar uma maior saciedade, ajudando na perda de peso também, indica Cibele. Pode ser usada para enriquecer a receita com fibras, sobre frutas ou sopas, em sucos ou vitaminas, porém, não substitui farinhas em receitas.
  • Farinha de oleaginosas: esse mix de castanhas (pode ser castanha de caju, amêndoas, nozes e macadâmia, por exemplo) pode ser riquíssimo em nutriente, porém não substitui a farinha de trigo em quantidades iguais, uma vez que são densas e muito ricas em proteína. São usadas para substituir uma parte de outra farinha a fim de enriquecer a receita, destaca Karen.

MANTEIGA SEM LACTOSE?

Existem duas alternativas à mistura de origem animal: a manteiga ghee e a de coco (também conhecida como óleo de coco). Ambas substituem a tradicional, porém com as mesmas ressalvas em relação à quantidade. A manteiga sem lactose não tem lactose, mas o risco de aumentar o colesterol, depositar gordura no fígado e nos vasos sanguíneos que está associado a gordura da manteiga continua o mesmo, aponta Karen. A primeira pode ser usada em pratos salgados, já a segunda, por ter em evidência o sabor de coco, combina com refeições doces.

Reportagem: Em tempo de substituir

Veículo: Revista Receitas Detox

Porta-voz: Cibele Cavalcante

Data: 22/02/2016

Agende sua Consulta